Bombeiros durante a manhâ ainda trabalhavam para combater o incêndio.

O corpo de bombeiros em Aquidauana foi acionado na noite da quarta-feira (13/09) e agiu prontamente para conter um incêndio de grandes proporções que atingiu o frigorífico Buriti e a vegetação próxima, causando preocupação e desconforto aos moradores do centro de Aquidauana que sofreram com a fumaça e o calor causados pelo fogo. Acredita-se que o início do incêndio foi causado pelos fornos do frigorífico. Alguns moradores do entorno cogitam que o incêndio foi criminoso, causado por pessoas que desejavam queimar o lixo acumulado na vegetação próxima ao frigorífico.

As primeiras informações indicam que o depósito da madeira que serve de combustível para os fornos da empresa foi destruído pelas chamas. Durante o início da manhã do dia seguinte (14/09), os militares ainda faziam o trabalho de rescaldo do incêndio. Mesmo após 8h de combate ao incêndio, a fumaça e a fuligem continuavam incomodando os cidadãos na região central da cidade. Durante o dia foi possível observar os estragos causados pelo fogo que transformou em cinzas a vegetação exuberante que ficava próxima ao córrego João Dias. A poluição que pairava no ar foi capaz provocar irritação e dificuldades respiratórias em moradores do entorno.

Aquidauana foi a cidade mais quente de Mato Grosso do Sul nos últimos dias, conforme levantamento das estações monitoradas pelo meteorologista Natálio A. Filho. Nesta quarta-feira (13/09), a temperatura verificada na cidade foi 40,1ºC e a sensação térmica chegou aos 44,2ºC. A umidade relativa do ar atingiu 13%, nível considerado de “emergência” na escala que mede os danos do tempo seco à saúde humana. Com as queimadas a preocupação aumenta, hidrate-se e evite atividades físicas excessivas.

As queimadas se tornam mais frequentes durante a estação seca, isso gera uma série de consequências à saúde humana e ao convívio harmonioso no meio urbano e rural. Queimar lixo não é uma boa opção, recicle e, com os orgânicos, faça compostagem. Além dos inúmeros prejuízos à saúde humana e ao meio ambiente, provocar queimadas sem licença do órgão ambiental é considerado como incêndio criminoso e é passível de punição pela Lei de Crimes Ambientais (9.605/98) com pena de um a quatro anos de reclusão.

Respire bons ares, evite queimadas!

Comentários